A teoria da Lava Jato por Renan Filho


Quem viu os discursos da convenção domingo enxergou dois adversários antagônicos.
De um lado o experiente e cabeludo Fernando Collor que completará 69 anos próximo final de semana.
Do outro o careca e jovial Renan Filho que completará 39 anos um dia após a eleição do 1º turno.
Collor não era candidato e decidiu sair de última hora, já com arte de campanha, adesivo e jingle. Renan Filho que era candidato único não tinha sequer definido o que iria fazer na convenção.
Collor lotou um clube dos mais tradicionais com quase 5 mil pessoas na Pajucara. Renan Filho preferiu o luxo de um auditório num hotel 5 estrelas da Cruz das almas pra claque paga pelo erário no mundo dos comissionados.
O discurso na verdade foi o ponto alto. Collor falou do fechamento das casas de farinhas, da perseguição aos empresários e comerciantes, do fim do programa do leite, da apreensão das cinquentinhas.
Renan filho ao invés de falar de sua gestão bateu, bateu, bateu em Collor.
O destempero de Renan filho foi quando falou dos carros de Collor o acusando de comprá-los com dinheiro da lava jato.
Mas enxergava ao lado o seu pai, o Senador Renan Calheiros, denunciado 17 vezes pela Procuradoria Geral da República ao STF, Renan que foi afastado pelo Ministro Marco Aurélio de Mello e descumpriu ordem judicial, que indicou Sérgio Machado e foi gravado por ele num suposto esquema de propina, que foi acusado por uma ex amante de pagar pensão da filha com recursos de empreiteiras, acusado de ter laranjas em rádios, de vender gado super faturado, de ser líder do partido na arrecadação com empreiteiras a nível de Brasil. Por falar em empreiteiras ninguém esquece do Pró Estrada, dos Hospitais e do CISP. Obras que foram construídas por empreiteiras. Renan filho bateu em Collor citando a lava jato. Se assim for bem sucedido significa que Collor, Renan e Biu irão perder eleição porque os Três senadores alagoanos estão enrolados na tal operação. Renan filho também está. Recebeu doação da Odebrecht pra se eleger governador. Se essa história de lava jato pegar não sobraria nenhum Calheiros. Ao acusar Collor de comprar carros com dinheiro da lava jato ele esquece que o pai é acusado de usar dinheiro para gastar na eleição. Há quem diga que até pra comprar mandato pro filho.