Feijoada Política das Alagoas


Vamos tentar explicar para o mundo, o labirinto político das “Azalagoas” onde a Galinha desfila de braços dados com Dom Raposão do Engenho Murici.
Téo Vilela, filho do saudoso menestrel das Alagoas(PSDB) passou 24 anos no senado e lá tornou-se irmão siamês do Senhor Calheiros. Daí falicitou os caminhos para fabricar Renanzinho Calheiros ( o bebê de Rosemary) como governador feito nas coxas. Com o passar do tempo, chega 2018 e Téo Vilela, o babá predileto do governador de ALAGOAS, com o PSDB( a cunho de Téo), começou a articulação para travar o prefeito de Maceió para o governo… (Téo novamente a serviço do patrão Senhor Calheiros). O PSDB/BR após muitas buzinadas fez um acordo de compadre e mudou a presidente de ALAGOAS passando para o Prefeito Rui Palmeira. Daí começou a incomodar o Clã dos Calheiros. Com a desistência de Rui Palmeira de ser candidato ao governo de Alagoas, Calheiros voltou a Reinar e sapateou em cima dos partidos, ditando e reinando no estilo peito de pombo. Mas, de uma hora, mexem no tabuleiro do Xadrez político e acionam o ex presidente Collor que também estava na mira da garganta Calheiros para 2022. Continuam e acionam o leão sem dente do PSDB. Téo Vilela que ver o bebê dos Calheiros na arena política com a Fera Collor. Tentou articulação para proteger a cria como uma boa mama seca. Hoje, a arena aponta o duelo do grande espetáculo : Renanzinho ( bebê de Rosemary) x Collor ( Karatê faixa preta). Teremos um duelo dos iguais, agora a disputa merece respeito das duas feras: de um Lado, os Poderosos Senhores Calheiros e do outro, o ex presidente Fernando Collor de Mello. Vamos ter audiência e Renanzinho respeitará o adversário mas mesmo assim tentou fazer crítica a lava jato e os cães de Collor rebateram refrescando a memória do governador de ALAGOAS. Disseram os cães de Collor a Renanzinho: “Cala a boca bebê que seu papai tem 17 processos na lava jato!” O nenê é produto do meio, daí a Gazeta entro no ar com a música de Luiz Gonzaga: “Luiz respeita Januário…”



Texto: Padre Bidião